Cerro Plata - Rumos: Roteiros para sua próxima aventura!
Cerro Plata

Preview Google Earth

 Arquivos disponíveis:
Trekking leve
Trekking moderado
Montanhismo fácil
Montanhismo difícil

País - Argentina Bookmark and Share

Cerro Plata

Altitude Máxima: 5938 metros.

Altitude Mínima: 2950m (Vallecitos) / 2530m Face Sul

Temporada ideal: Dezembro a Abril

Outros locais do roteiro:

  • Plata
  • Vallecitos
  • Rincon
  • San Bernardo
  • Cerro del Medio
  • Aguja CABA
  • Lomas Blancas
  • Lomas Amarillas
  • Agustin Alvarez
  • Estudiantes
  • Caucaso
  • Iluso
  • Mausy
  • Santa Elena
  • Falso Santa Elena
  • Morro Chato
  • Adolfo Calle
  • Franke
  • Cerro Colorado
  • Stepanek
  • Platita
  • Cerro Negro
  • Forma da obtenção dos dados:

    Trilhas da rota normal georeferenciados por Maximo Kausch em Outubro de 2009. Waypoints da rota normal e totalidade da face sul obtidos por Maximo Kausch em Novembro de 2009 com um Garmin 60 CSx.

    Mais informações sobre este roteiro:


    O Cordón del Plata, localizado nas proximidades de Mendoza, no caminho para o Chile, no extremo Oeste da Argentina, era quase desconhecido para os Andinista até a década de 1990.

    Após este período, com a popularização do Aconcagua e as altas taxas cobradas pelo governo provincial de Mendoza para escalá-lo, várias montanhistas começaram a buscar alternativas que pudessem lhes oferecer um convívio mais intenso com a natureza sem ter que desembolsar muito dinheiro. Nisso, o Cordón del Plata se encaixou como uma luva aos anseios andinistas.

    O Plata é uma Serra, onde há diversos cumes com sucessivas altitudes, o que lhe permite ser um local perfeito para aclimatar-se, pois o andinista vai galgando altitude pouco a pouco, tendo como opção para este processo, não somente ir ganhando altitude lentamente, como se faz no entediante Aconcagua, mas sim suprimindo cada etapa com um cume diferente.

    De lá para cá o Plata popularizou-se e se tornou um local conhecido. Infelizmente com as pessoas muito da vida selvagem se perdeu, entretanto continua sendo um bom local para admirar condores, raposas e outros animais.

    Nesta página oferecemos mais do que informações sobre esta "serra" andina, oferecemos conselhos e dicas para quem está se iniciando ao montanhismo de altitude e busca ter uma ótima primeira experiência.

    Estas dicas também são válidas para montanhistas mais experientes que desejam galgar o topo do continente e, portanto buscam uma preparação em outro local, seja para adquirir experiência ou para se aclimatar para escalar o Aconcagua.

    Por todas estas características físicas, adicionando o fato de que o acesso à montanha é fácil, os custos para escalá-la é relativamente baixo e há toda esta diversidade de ascensão, o Cordón del Plata se firma como o melhor lugar para que montanhistas dêem seus primeiros passos na altitude.

    Aventure-se no Cordón del Plata com consciência. Cuide do meio ambiente e de sua saúde. Apesar da maioria das escaladas do Plata serem tecnicamente fáceis, há grandes riscos, principalmente se as recomendações sobre aclimatação forem negligenciadas. Apesar de pouco técnicas, muitas destas montanhas são estafantes e para e chegar ao topo chega-se ao limite físico e mental. Aproveite, mas tenha sempre prudência e respeito à ética do montanhismo.

    Acesso:

    Saindo de Mendoza pela autopista de acesso "Este" (Leste), dobrar a direita antes do viaduto no trevo "El Condor", seguindo pela Ruta 40 para Luján onde cruza o Rio Mendoza até encontrar o entroncamento com a Ruta 7 e dobrar a direita em direção ao Chile e Potrerillos.

    A partir daí, já é possivel observar o Cordón del Plata, representado por diversas montanhas e também o Vulcão Tupungato, mais alto e mais impactante. A estrada acompanha o leito de um rio e depois passa bem próximo da represa até o entroncamento com Potrerillos que sai a direita em direção a represa, cruza a ponte sobre o Rio Blanco e imediatamente dobra a esquerda seguindo o leito do rio, passa embaixo da rodovia e segue em frente.

    A estrada asfaltada cruza um riacho e faz uma curva a direita acompanhando o leito até cruzá-lo novamente. Na bifurcação dobra a esquerda, cruza um riacho e faz uma longa curva em ferradura. Bem a frente cruza novamente o Rio Blanco passando por um trecho arborizado. A seguir sai da estrada a direita, no meio da forte curva, e segue a distância o leito do rio, passa por mais 4 (quatro) pontes e inicia a subida em zig-zags até o final da estrada de terra onde estão os refúgios e a estação de Esqui de Vallecitos, que só funciona no inverno.

    Não há ônibus regulares para Vallecitos. É preciso contratar uma condução para chegar ali. Em Mendoza há agências que levam as pessoas em Vans. Outra opção, para grupos menores, é ir de Taxi. A estrada é muito boa e não há problemas para quem tem está na Argentina com seu veículo particular, seja qual for.

    Aproximação:

    A aproximação ao cerro Plata se dá por Las Veguitas, apartir do refúgio Ski & Montanha, na estação de Ski.

    A trilha começa larga, ela sobe pelo vale do Rio Blanco e é muito bem demarcada pelo contínuo tráfego das mulas e tótens de pedra, cruza o rio e passa por inúmeras rochas de variadas dimensões. Depois de caminhar por cerca de 40 minutos, chega-se em um local plano e gramado, Las Veguitas (3200 metros), perfeito para um acampamento se não fosse tão próximo ao refúgio.

    Para quem já passou por uma aclimatação, a sugestão é continuar adiante e acampar mais acima. Com 40 minutos de caminhada, entramos em Piedra Grande (3800), onde se pode acampar, mas a água mais próxima só é encontrada distante dali, em Veguitas Superior.

    A frente de Piedra Grande toda a paisagem se transforma e o verde desaparece, só restando extensas morenas forradas com cascalho graúdo e algumas pequenas flores que nascem entre as pedras. Após meia hora de caminhada a trilha segue a Sul no início do vale formado entre as encostas do Cerro Lomas Amarillas, à esquerda, e o Infiernillo com muitas pedras soltas até a crista da morena. Mais 1 (uma) hora de penosa caminhada pela crista e chegamos na base da pedra do Salto d água - uma pequena cascata com um fio d água poluído a esquerda da trilha - que se contorna pela direita num trecho muito inclinado e exposto.

    Vencida outra lombada se chega ao acampamento de Salto (4200m) depois de uma árdua caminhada de 6 (seis) a 8 (oito) horas desde os refúgios, ir deles até este acampamento é uma opção para quem já realizou o processo de aclimatação. Quem não fez este processo, mesmo que seja um local próximo, não é aconselhavel um pernoite, por conta da elevada altitude. O lugar é exposto a fortes ventos com rajadas repentinas que podem facilmente desalojar as barracas desprotegidas. Recomenda-se erguer um muro de pedras em toda a sua volta.

    Salto d água é abastecido diariamente por tropas de mulas que vem da zona dos refúgios e possui uma grande barraca refeitório administrada pela empresa Ski & Montaña que fornece refeições, pizzas, refrigerantes e vinho aos interessados, também tem abundância de água líquida e uma fétida área de "cagador" por detrás da moraina

    Ataque ao cume:

    A caminhada ao cume não apresenta dificuldades além da altitude e da baixa temperatura, com 6 (seis) horas de subida e 4 (quatro) horas para descida.

    Por conta do frio, é recomendável o uso de botas duplas e também roupas apropriadas. A altitude também requer aclimatação bem feita e preparo físico. Leia nossa sugestão de aclimatação e os artigos técnicos sobre equipamentos e mal de altitude.
        
    A trilha principal parte de Salto em direção sul até o acampamento avançado de Hoyada (4520m) em 30 (trinta) minutos, continua na mesma direção até uma bifurcação, a esquerda leva ao Cerro Lomas Amarillas, continuando em frente pela crista, direção oeste vai atingir uma grande e inclinada língua de gelo. Aqui pode ser necessário o uso de crampons, principalmente quando o caminho estiver muito pisoteado transformando neve fresca em gelo escorregadio.

    Após ultrapassar o gelo a trilha se bifurca (5300m) em um local chamado de "Portesuelo", a direita você irá para o Cerro Vallecitos e para a esquerda na direção sul segue a aresta para o cume do Cerro el Plata ainda distante 3 (três) horas.

    A caminhada do Portesuelo até o Plata não tem dificuldade técnica. Ali, é comum a existencia de "nevés" que são restos de gelo que sobraram do inverno. Nestes locais redobre a atenção, pois a possibilidade de escorregar aumenta. O uso de crampom acaba com este risco, entretanto seu uso é recomendado somente se a montanha estiver bem nevada, o que não ocorre normalmente na temporada.

    O caminho muitas vezes faz zigue zague, mas não desanime, é uma trilha monótona e a altitude cobra seu preço, nos fazendo parar muitas vezes. Não pare para descansar com muita frequência, prefira manter um ritmo lento e constante, as vezes sem olhar para o horizonte, para não se distrair. Fazendo assim você poupará tempo precioso, uma vez que na região é normal ter tormentas à tarde. Por conta disso, não demore muito a chegar no cume, tente chegar lá, no máximo às 2 da tarde, para não ser surpreendido na descida.

    Os restos de um Helicóptero caído entre a neve é o indicador de que você está próximo do cume. Lá em cima você terá uma das visões mais bonitas dos Andes. O Aconcagua, com sua imponente face Sul, estara na sua frente, menos de 50 km ao Norte. À Oeste, você verá o Vulcão Tupungato, a segunda maior montanha da região e a cadeia onde se destaca o Cerro Polleras.

    O Cerro Plata foi conquistado pela primeira vez em 21 de janeiro de 1925 por Hans Stepanek que repetiu a conquista no dia 25 desta vez acompanhado por Francisco Peters.

    Acampamentos:

    O Cordón del Plata tem diversos acampamentos pré estabelecidos, cada um com uma peculiaridade e uma razão de existir. Conheça melhor eles para planejar suas ascensões nas variadas montanhas da região.

    Las Veguitas (3200 metros):

    Las Veguitas é um excelente local para acampar. Fica muito próximo da área dos refúgios, é todo gramado e protegido dos ventos, e tem água potável em abundância. Totalmente grátis e no caminho para alta montanha é a melhor opção para quem está com o orçamento apertado e quer economizar seu suado dinheirinho.

    A trilha começa por entre dos refúgios e acima do curral das mulas até uma estrada que acompanha o rio. Procure cruzá-lo junto a um cano metálico elevado e tome a trilha que acompanha o rio por uns 35 (trinta e cinco) minutos até um platô gramado e sulcado por inúmeros veios d água.

    É o acampamento ideal para começar a escalada do Cerro San Bernardo, Mausy, Stepanek e Adolfo Calle.

    Piedra Grande (3600 metros):

    Um pouco mais acima de Las Veguitas, assentado ao lado de albuns blocos rochosos na base do Cerro Franck fica este acampamento que é mais estratégico do que confortável. A razão disso se dá porque fica numa distância razoável da zona dos refúgios (cerca de 3 horas caminhando), mas antes da parte mais cansativa da caminhada, que é "El infernillo". É um local bem protegido de ventos, mas fica distante da água. As pedras que cercam o local é o lar de diversos ratinhos que costumam assaltar nossas comidas à noite. Cuidado!

    É o acampamento ideal para quem deseja fazer ataque ao cume do Cerro Frank e Lomas Amarillas.

    Salto de Água (4200 metros):

    É considerado o Acampamento base para a ascensão do Cerro Plata, Vallecitos e Rincón. Após meia hora de caminhada passando Piedra Grande, a trilha segue a Sul no início do vale formado entre as encostas do Cerro Lomas Amarillas, à esquerda, e o Infiernillo com muitas pedras soltas até a crista da morena. Mais 1 (uma) hora de penosa caminhada pela crista e chegamos na base da pedra do Salto d água, que recebe este nome por causa de uma pequena cascata com um fio d água poluído a esquerda da trilha.

    Este acampamento pode ser alcançado por montanhistas já aclimatados, a partir da zona dos refúgios, em 6 ou 8 horas.

    O lugar é exposto a fortes ventos com rajadas repentinas que podem facilmente desalojar as barracas desprotegidas. Recomenda-se erguer um muro de pedras em toda a sua volta.

    Salto d água é abastecido diariamente por tropas de mulas que vem da zona dos refúgios e possui uma grande barraca refeitório administrada pela empresa Ski & Montaña que fornece refeições, pizzas, refrigerantes e vinho aos interessados, também tem abundância de água líquida e uma fétida área de "cagador" por detrás da moraina.

    La Hoyada (4660 metros):

    É um acampamento alternativo acima de Salto. Para efeito de poupar tempo ele não é muito recomendável, pois chega-se nele de ataque em menos de 30 minutos. Ele se torna estratégico quando a proposta de dormir nele é para aprimorar a aclimatação.

    Cercado por um anfiteatro de montanhas, Lomas Amarillas, Vallecitos e Rincón, é um local que sofre um fenômeno diferenciado quando há ventos de altitude. Os ventos empurram o ar e faz reduzir a pressão, provocando fortes dores de cabeça a quem não está aclimatado.

    Por isso o local recebeu este nome, é uma panela (hoya) de pressão invertida. Lá há água e é muito mais tranquilo do que o Salto. Assim sendo é um local  alternativo para quem deseja subir o Plata e o Vallecitos.

    Trajeto no KML do Google Earth:

        * Mendoza - Cume

    Rotas disponíveis no KML:

        * Rota Normal
        * Face Sul

    :: Quer escalar o Cerro Plata? Faça cume com o melhor guia de montanha da atualidade; Maximo Kausch e ainda obtenha 15% de desconto na compra de equipamentos na loja do AltaMontanha.


    Notícias Relacionadas:

    Quer contribuir com o Rumos?

    O Rumos está aberto a contribuição de seus leitores. Clique para saber mais.

     



    .
    O site Rumos: Navegação em Montanhas é mantido pelo Portal AltaMontanha.com - Consulte nossa Política de Uso!